HomeCrowdfunding imobiliárioTributação de Crowdfunding: Impostos em Crowdfunding Imobiliário na Espanha

Tributação de Crowdfunding: Impostos em Crowdfunding Imobiliário na Espanha

Quais são os impostos que tenho que pagar quando invisto no Crowdfunding imobiliário?

O denominado Equity Crowdfunding, é uma forma de Crowdfunding em que os investidores, através de contribuições monetárias, obtêm uma participação no capital da empresa com retorno do investimento através dos lucros, rendimentos ou capital da empresa. Nesse sentido, o Crowdfunding Imobiliário é um tipo de Crowdfunding Patrimonial que se desenvolve nas chamadas Plataformas de Financiamento Participativo, como Icrowdhouse e através da qual os investidores fazem contribuições financeiras para a aquisição de imóveis existentes ou para o início de novos empreendimentos imobiliários.

De acordo com o disposto no artigo 25 da Lei 35/2006, de 28 de novembro, sobre Imposto de Renda Pessoa Física e alteração parcial das leis sobre Imposto sobre Sociedades, Sobre Renda de Não Residentes e Sobre Patrimônio Líquido, os rendimentos obtidos por pessoas físicas através do real O Crowdfunding imobiliário deve ser tributado como rendimento de capital móvel, ou seja, da mesma forma que acontece com os juros obtidos com depósitos em instituições financeiras.

Renda de capital móvel

Considera-se rendimento de capital móvel o lucro ou a contraprestação, qualquer que seja o nome ou a natureza, proveniente, direta ou indiretamente, do capital móvel e, em geral, de bens ou direitos não classificados como bens imóveis. As devoluções correspondentes aos elementos patrimoniais, bens ou direitos, que se destinem exclusivamente às atividades econômicas exercidas pelo contribuinte, serão incluídas nas das atividades correspondentes.

São regulados nos artigos 25 e 26 da Lei do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. Os itens a seguir são considerados retornos totais:

  • Renda obtida com a participação no patrimônio de qualquer tipo de entidade.
  • Rendimentos obtidos com a transferência de capital próprio a terceiros
  • Receitas de operações de capitalização, contratos de seguro de vida ou invalidez
  • Outras receitas de capital móvel

Os exemplos mais frequentes são: contas correntes e depósitos, dividendos de ações, cupons de títulos de renda fixa, transmissão ou amortização de títulos de renda fixa, produtos estruturados ou seguros de vida ou invalidez.

Tributação de crowdfunding na Espanha

o impostos de financiamento coletivo Quando é investido no capital de uma empresa e esta distribui dividendos, são os mesmos que tributam quaisquer Rendimentos do Capital Móvel. 

O tipo de tributação que incide sobre os rendimentos obtidos é aplicado pelo Tesouro de forma progressiva e de acordo com as seguintes secções:

  • Impostos a 19% pelos benefícios obtidos inferiores a 6.000 €.
  • Impostos a 21% pelos benefícios obtidos que se situam entre € 6.000 e € 50.000.
  • Impostos a 23% para lucros obtidos acima de € 50.000.

Os juros ou dividendos estarão sujeitos a uma retenção de 19% (pagamento por conta do IRPF).

Caberá ao promotor do projecto de Crowdfunding Imobiliário efectuar as retenções na fonte e liquidar o pagamento por conta do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Físicas perante a Agência Tributária, dos benefícios que forem distribuídos aos investidores. Deve ter-se em consideração que o sistema fiscal espanhol não se aplica aos benefícios individuais de cada investimento de crowdfunding realizado, mas sim ao total que é realizado sobre a soma de todos os rendimentos obtidos. A tributação das prestações obtidas a estrangeiros não residentes que investem no Crowdfunding imobiliário está também sujeita a retenção na fonte do designado Imposto sobre o Rendimento de Não Residentes (IRNR).  

No que se refere aos dividendos, se o investidor for residente em Estado signatário da Convenção de Dupla Tributação, serão tributados na Espanha com o limite previsto no CDI. E no caso de ser residente de um Estado que não tenha assinado um acordo, será tributado em Espanha à taxa de 19%.

Quanto aos juros, o promotor não fará qualquer tipo de retenção na fonte e os juros obtidos deverão ser declarados de acordo com a regulamentação do país de residência fiscal. Se o investidor for uma pessoa colectiva, os lucros que as empresas que investiram em crowdfunding imobiliário são incluídos na Base do imposto sobre as sociedades à taxa de imposto correspondente.

Existe outro tipo de investimento imobiliário chamado Real Estate Crowdlending por meio do qual os investidores emprestam capital a um incorporador imobiliário para desenvolver um projeto, em troca de juros sobre o capital emprestado. O reembolso do empréstimo varia em função das condições que forem estabelecidas entre a plataforma de financiamento participativo que promove e executa o plano de viabilidade do projeto, e o promotor, os juros a receber pelos investidores pelo empréstimo concedido, podem ser do interesse fixo ou do tipo participativo em que o retorno e o valor estão associados à rentabilidade do projeto.

O investidor ou credor do Crowdlending, como é o caso do investidor do Crowdfunding Imobiliário, também deve pagar o imposto de renda pelos juros e de acordo com as mesmas tranches estabelecidas, podendo variar de um mínimo de 19% a um máximo de 23 %, neste caso é o devedor que é obrigado a efetuar as retenções e apresentar o certificado das efetuadas.

Uma consideração a levar em conta: se os benefícios obtidos pelo investidor forem deixados na conta que ele tem na Plataforma para voltar a fazer novos investimentos, o Tesouro considera como um benefício realizado e, portanto, está sujeito a tributação a partir do momento em que o depósito foi feito na conta. Da mesma forma, é importante ter em mente que se a plataforma Crowdlending estiver localizada fora da Espanha, dentro da União Europeia, a plataforma não pratica retenções e é o investidor que deve informar a Agência Tributária dos benefícios obtidos com os investimentos em Crowdlending que você fez. No caso das pessoas jurídicas, como no caso do Crowdfunding imobiliário, a tributação é o Imposto sobre as Sociedades.

Tributação de crowdfunding na Espanha

Aqui estão algumas questões vinculativas feitas ao Escritório Geral de Impostos sobre questões de Crowdfunding e Crowdlending.

Resolução Vinculante da SG Tributos sobre Pessoas V2107-18, de 17 de julho de 2018.

DESCRIÇÃO-FATOS (RESUMO)
A entidade de consultoria é uma empresa cuja atividade é conhecida em inglês como "Crowdfunding" ou "Crowdlending", ou seja, a utilização de uma ou mais plataformas digitais para financiar candidatos. Especificamente, a atividade consiste na utilização de plataformas digitais para que coloquem em contacto investidores com dinheiro para investir uma multiplicidade de empresas que procuram empréstimos a taxa fixa com um prazo entre 90 dias e 3 anos e a uma taxa de juro competitiva.
PERGUNTA
Se a atividade desenvolvida pelo consultor cumprir os requisitos indicados no artigo 5.º da LIS para efeitos de determinação de que a referida entidade exerce atividade económica para efeitos fiscais.

Resolução Vinculativa da Direção-Geral de Impostos, V1342-18 de 23 de maio de 2018.

DESCRIÇÃO-FATOS (RESUMO)
O interessado fez contribuições a diversas empresas sediadas no estrangeiro cuja atividade é o Crowdlending. O consultor faz contribuições à empresa no exterior por meio de transferência bancária para conta coletiva, recebendo juros sobre o empréstimo. A empresa localizada no exterior coloca à disposição dos clientes finais para que possam obter capital de forma fracionada. O consultor participa de uma forma muito pequena (€ 10-50) em cada empréstimo final.
PERGUNTA
Obrigação de apresentar o formulário 720.

Resolução Vinculativa da SG FISCALIDAD INTERNACIONAL, V1342-18 de 23 de maio de 2018

DESCRIÇÃO-FATOS (RESUMO)
Empresa espanhola que tem por objecto diversos serviços de Internet e cuja actividade principal, designada por "Crowdlending", consiste em colocar em contacto, através do seu site, como plataforma online, pessoas (não empresários ou profissionais) que necessitem de um empréstimo. adquirir bens e serviços para uso privado, com investidores (não empresários ou profissionais) dispostos a concedê-los. Dessa forma, os tomadores de empréstimos obtêm empréstimos mais baratos e os credores retornam mais atraentes.
PERGUNTA
Em relação ao pagamento de juros a favor de investidores fiscais residentes na UE, é consultado sobre: ​​- Declarações a apresentar à administração fiscal espanhola. A Empresa considera que é apenas o Formulário 299.- Documentação comprovativa da residência fiscal do investidor que permite não aplicar qualquer retenção na fonte por conta do IRNR.- Sim, caso seja necessária a acreditação específica da residência fiscal, se bastasse com a posse de certidões ou cartas de reconhecimento de residência fiscal emitidas pelas autoridades fiscais dos Estados de residência na sua língua original.

As informações indicadas neste artigo são meramente indicativas, pelo que é aconselhável que os investidores consultem um consultor fiscal ou a Agência Tributária, de forma a assegurar em cada caso a devida declaração dos rendimentos obtidos. tanto nos casos de investimentos imobiliários de Crowdfunding como Crowdlending.

 

spot_img

Mais Popular

Investimento de varejo, um oceano azul ainda a ser explorado

Cada vez encontramos opções de financiamento mais alternativas ao tradicional para podermos obter investimentos e fundos. Existem diferentes ...
spot_img

Você deveria ler

spot_img